A SEGUNDA VINDA DO SENHOR JESUS

“Então, aparecerá no céu o sinal do Filho do Homem; todos os povos da terra se lamentarão e verão o Filho do Homem vindo sobre as nuvens do céu, com poder e muita glória” (Mateus 24:30).

A certeza da vinda

Depois da morte do Senhor, o assunto escatológico que os teólogos mais concordam, é a segunda vinda de Cristo. É a bendita esperança da Igreja e a manifestação da glória do nosso grande Deus, conforme Tt 2.13. O próprio Jesus promete o seu retorno (Mt 24.30´31). Ainda em seu grande discurso sobre o fim dos tempos (Mt 24-25), Ele menciona a vinda do Filho do homem (v.27,37,39,42,44). Todos os ensinos nesse discurso envolvem a segunda vinda. Em seu interrogatório diante de Caifás, Jesus confirma a sua vinda (Mt 26.64). Os Evangelhos estão repletos de textos sobre a vinda de Cristo: Mc 13.26; Lc 21.27; Jo 14.3; como em toda a extensão no Novo Testamento: At 1.11; At 3.19-21; Fp 3.20-21; 1Ts 4.15-16; 2Ts 1.7-10; Tt 2.13; Há também muitas referências menos elaboradas: 1Co 1.7, 15.23; 1Ts 2.19, 3.15, 5.23; 2Ts 2.1-8, 1Tm 6.14 e 2tm 4.1-8. Outros autores também destacam a segunda vinda do Senhor: Hb 9.28; Tg 5.7-8; 1Pe 1.7-13; 2Pe 1.16, 3.4-12 e 1Jo 2.28. A segunda vinda de Jesus é uma das doutrinas mais destacadas no NT.

A incerteza do tempo

A vinda do Senhor é uma forte afirmação bíblica, quanto ao tempo é incerto. O momento específico não nos foi revelado, isso implica em vigilância cristã, uma atuação motivada da vida cristã e compromisso (Mc 13.32-3;, Mt 24.36-44). Essa questão de precisão de data para o retorno do Senhor ao nosso planeta é uma particularidade de Deus que Ele reservou por sua autoridade (At 1.7). Acima da nossa curiosidade está o exercício do nosso testemunho. Então, a imprevisibilidade deste momento está na necessidade da vigilância por nossa parte (Mt 24.44,50,25.13; Mc 13.35), que cremos, que nos tornamos igreja cristã.

A natureza da vinda

Pessoal – Os textos bíblicos Jo 14.3; 1Ts 4.16 e At 1.11, fica claro que, a volta do Senhor Jesus, mesmo levando em consideração diferenças denominacionais ou teologias diferenciadas, haverá um momento que a volta de Cristo será de natureza pessoal, tão pessoal quanto foi a sua partida.

 

Corpórea – Não cremos que o retorno do Senhor Jesus não foi um cumprimento espiritual no Pentecostes. As muitas promessas da segunda vinda de Jesus foram feitas após o Pentecostes. Ele disse que estaria conosco todos os dias, até o final dos tempos; como Pai faria morada em nós; Paulo afirmou que Cristo em nós é a esperança da glória (Mt 28.20; Jo 14.23; Cl 1.27). Então, mesmo Ele estando presente conosco, creio que o Senhor virá em algum tempo futuro. Sim, Cristo está conosco, desde o novo nascimento de cada cristão.

 

Visível – A volta de Cristo será como a sua partida, os discípulos viram Jesus subindo ao céu. Outras descrições da segunda vinda de Cristo será visível (At 1.11; v. 9-10; Mt 24.30). Não faz sentido bíblico, como muitos divulgam, que o Senhor Jesus começou seu reinado sobre a Terra em 1º de outubro de 1914.

 

Inesperada – Há várias sinalizações que precederão a segunda vinda mas sem indicações do tempo exato da volta do Senhor Jesus (Mt 24.15, 21, 29). Noé levou certo tempo para na construção da arca, apenas a sua família se preparou para o Dilúvio (Mt 24.37). Da mesma forma, a destruição repentina virá (1Ts 5.2-3). Para os não criteriosos, o tempo de espera pode induzir um estado de desatenção (Mt 25.1-13; 2Pe 3.3-4). Quando ocorrer a parúsia (a segunda vinda de Jesus Cristo à Terra) não haverá tempo de preparação (Mt 25.8-10), o que nos leva a reflexão de Louis Berkhof: “A Bíblia sugere que a medida de surpresa das pessoas diante da segunda vinda de Cristo será inversamente proporcional à medida de sua vigilância”.

 

Triunfante e gloriosa – A volta de Cristo é natureza gloriosa, um contraste com a primeira vinda foi julgado e na segunda vem para julgar. É o estágio final de sua exaltação. O Senhor Jesus Cristo voltará sobre as nuvens com grande poder e glória, acompanhado por seus anjos e anunciado pelo arcanjo, se assentará em seu trono de glória e julgará as nações (Mt 24.30; 25.31-46; Mc 13.26; Lc 21.27; 1Ts 4.16). Comparando Is 53 (Jesus sofredor) com Ap 1.9-20 (Jesus Glorificado), esses dois retratos do Senhor Jesus, temos uma ideia comparativa de entre a primeira vinda com a segunda do Senhor Jesus.

 

A graça seja com todos nós.

 

Otoniel Medeiros
Parnamirim-RN, 19 de setembro de 2022

Compartilhe nosso conteúdo nas redes sociais

Fechar Menu